CADA VEZ MAIS PERTO
identidade visual

Ana Rocha, curadora da exposição Cada Vez Mais Perto, apresentou a um grupo de artistas o desafio de criar obras fora dos espaços e protocolos indicados por galerias e museus para ocupar lugares explicitamente urbanos, distribuídos em rede pelo centro de Curitiba, no caminho das pessoas. Com isso se buscava, por um lado, um maior engajamento do artista com a vida cotidiana, incluindo espaços não especializados para a realização de suas práticas; por outro, trazia a intenção de aproximar o transeunte, habitante comum da cidade, da produção artística contemporânea, oferecendo outras camadas de percepção do dia-a-dia, a experienciação da cidade de forma poética.

O sistema de identidade visual criado para a exposição usou essa dualidade como base, sempre contrapondo duas narrativas/lugares visualmente distintos – o universo do cotidiano urbano, e o da experiência artística – traçadas paralelamente, e que, em alguns pontos, se tocam e se sobrepõem.

NOME
O nome é duplicado e articulado no espaço, permitindo traçar entre as palavras diferentes relações de proximidade e afastamento. As características da fonte monoespaçada permitem que uma nova forma seja definida quando os elementos são sobrepostos, sugerindo as arestas de um quadrado, forma usada como ícone da exposição.

CORES
Cada elemento do sistema é tornado singular por sua cor. O uso de cores contrastantes, o preto para o espaço da arte, e o azul para o espaço urbano, permite a identificação e leitura de cada uma dessas palavras/lugares mesmo quando são sobrepostos. Assim, diferencia-se o que é relacionado à exposição (sua apresentação, a apresentação dos artistas e de seus trabalhos, e também os trajetos entre essas obras) das referências feitas à cidade, seus lugares e caminhos.

ESPAÇOS
Formas tridimensionais simples informam a ideia de espaços, atuando como ícones, usados isoladamente, ou em composições mais complexas, para formar paisagens gráficas/urbanas. Preenchidas em preto, constróem espaços opacos, intransponíveis; desenhadas apenas as suas arestas, indicam lugares transparentes. A soma dessas formas indica o espaço construído por essa experiência.

DISTENSÃO
O cubo é usado como a forma principal para essa representação. Variações dessa forma inicial, seu prolongamento vertical e horizontal, podem indicar a figura simplificada de prédios e casas, trazendo maior riqueza ao sistema, que passa a operar como uma representação esquemática da cidade. Os espaços transparentes podem ainda se distender e contrair em relação às suas contraformas opacas, como um redesenho da experiência desses lugares, acrescentando ao sistema uma possibilidade de estranhamento e poesia.

COMBINAÇÕES
O sistema de identidade visual da exposição é sintético o suficiente para que seus elementos possam ser combinados com alguma liberdade, mantendo uma linguagem consistente e a clareza na comunicação de suas mensagens, tanto em meio impresso como em canais digitais. Abaixo, alguns dos diferentes posters que foram criados para divulgação do evento.

MATERIAIS DE COMUNICAÇÃO

FOLDER + MAPA
A exposição Cada Vez Mais Perto foi concebida como um circuito aberto, com obras dispostas em rede no centro histórico de Curitiba. Para apresentação dos possíveis trajetos desenhados entre essas obras, foi desenvolvido um mapa da região que trazia, ainda, os conceito da exposição, informações sobre os artistas, seus trabalhos e os espaços que ocuparam. Foram produzidas dois mil exemplares do folder + mapa, distribuídos ao longo de toda a exposição àqueles que passavam pelo centro.

SINALIZAÇÃO
O projeto de sinalização da exposição exigia a absorção de sua transitoriedade, e da natureza dos espaços que ocupava – ruas, praças, centros comerciais, edifícios residenciais, casas depredadas, há muito desocupadas. A sinalização externa foi feita com cavaletes de madeira, elementos bastante leves, que poderiam ser montados, posicionados, reposicionados e desmontados com facilidade.

A sinalização interna, da mesma forma, usou quadros com base em madeira, leves e portáteis, informando o público sobre a obra apresentada em cada espaço.

CADA VEZ MAIS PERTO: CATÁLOGO

CADA VEZ MAIS PERTO: CATÁLOGO

catálogo: projeto gráfico

CADA VEZ MAIS PERTO

CADA VEZ MAIS PERTO

identidade visual

NOVOS MAFUÁS

NOVOS MAFUÁS

livro: projeto gráfico e design

TIJUCÃO CULTURAL TRANSBORDA

TIJUCÃO CULTURAL TRANSBORDA

evento: catálogo digital

CHOVE

CHOVE

livro: concepção, imagens e design

CHOVE: EXPOSIÇÃO

CHOVE: EXPOSIÇÃO

projeto expográfico

CHOVE: OFICINA

CHOVE: OFICINA

oficina artística

QUEM VEM LÁ?

QUEM VEM LÁ?

disco: ilustrações e design

PEDRO OSMAR, PRÁ LIBERDADE QUE SE CONQUISTA

PEDRO OSMAR, PRÁ LIBERDADE QUE SE CONQUISTA

filme: direção de arte e design

RE-ROUPA

RE-ROUPA

identidade visual

MUCHA GALERIA

MUCHA GALERIA

identidade visual

LACUNA

LACUNA

identidade visual

QUANDO CHOVE TUDO SAI DO LUGAR

QUANDO CHOVE TUDO SAI DO LUGAR

fotografia

CITADINOS

CITADINOS

gravuras

CARVÃO

CARVÃO

disco: direção de arte e design

NÃO SE VIVE POR NADA

NÃO SE VIVE POR NADA

filme: design gráfico

LAHR

LAHR

identidade visual

UM CÉU PRA CADA QUANDO

UM CÉU PRA CADA QUANDO

fotografia

DE MAR E SILÊNCIO

DE MAR E SILÊNCIO

gravuras

O INCRÍVEL MENINO PRESO NA FOTOGRAFIA

O INCRÍVEL MENINO PRESO NA FOTOGRAFIA

teatro: design gráfico

MARION

MARION

livro-objeto: concepção e design

O LIVRO DO RISO E DO ESQUECIMENTO

O LIVRO DO RISO E DO ESQUECIMENTO

livro-objeto: concepção e design

ABAPORU

ABAPORU

identidade visual

GABRIELA MAZEPA

GABRIELA MAZEPA

identidade visual

ARTENOVE

ARTENOVE

identidade visual

PORTAS

PORTAS

publicação: concepção, imagens e design

AUSÊNCIAS

AUSÊNCIAS

publicação: concepção, imagens e design

AS CORDAS QUE PRENDEM AS SOMBRAS

AS CORDAS QUE PRENDEM AS SOMBRAS

fotografia

QUEBRA-CABEÇAS

QUEBRA-CABEÇAS

publicação: concepção, imagens e design

DIVAGAÇÕES

DIVAGAÇÕES

gravuras

O DESAPARECIMENTO DO ELEFANTE

O DESAPARECIMENTO DO ELEFANTE

teatro: vídeo-cenários

CHOVE: UMA NARRATIVA VISUAL

CHOVE: UMA NARRATIVA VISUAL

livro: concepção, imagens e design

DESENHOS DE CHUVA: DIA

DESENHOS DE CHUVA: DIA

gravuras

DESENHOS DE CHUVA: NOITE

DESENHOS DE CHUVA: NOITE

gravuras

DESACERTO

DESACERTO

filme: design gráfico

VASTA CIDADE, FESTA DE ALGUÉM

VASTA CIDADE, FESTA DE ALGUÉM

disco: imagens e design

ABAPORU

ABAPORU

identidade visual

CARLOS MOTTA E A VIDA

CARLOS MOTTA E A VIDA

livro: projeto gráfico

CAIXAPRETA

CAIXAPRETA

identidade visual

INVENÇÃO DE MOREL

INVENÇÃO DE MOREL

livro-objeto: concepção e design

A LADEIRA DA MEMÓRIA

A LADEIRA DA MEMÓRIA

intervenção urbana: concepção e design

MEU MEDO

MEU MEDO

filme: direção de arte e design

OS ALTRUÍSTAS

OS ALTRUÍSTAS

teatro: grafismos

ALL I NEED

ALL I NEED

filme: direção de arte

SILÊNCIO E SOMBRAS

SILÊNCIO E SOMBRAS

filme: direção de arte e design

LABIRINTO

LABIRINTO

gravuras / site: concepção, imagens e design

NÚCLEO P3

NÚCLEO P3

identidade visual

O CASTELO DO BARBAZUL

O CASTELO DO BARBAZUL

teatro: vídeo-cenários

AS NOIVAS DO BARBAZUL

AS NOIVAS DO BARBAZUL

gravuras

THOM PAIN – LADY GREY

THOM PAIN – LADY GREY

teatro: grafismos

DELÍRIOS

DELÍRIOS

gravuras

CICATRIZES

CICATRIZES

gravuras

PORCELANAS

PORCELANAS

gravuras

CÉREBROS

CÉREBROS

campanha: direção de arte e ilustrações